A única forma de saber se a sua estratégia de gestão de ativos é eficiente é avaliar os indicadores de desempenho (KPIs). Os indicadores de performance dos ativos permitem avaliar a disponibilidade, a confiabilidade, a funcionalidade e os custos de manutenção, assim como a qualidade da gestão de manutenção.

 

Por isso, lembramos quais são os principais indicadores de performance dos ativos.

Tempo Médio Entre Danos (MTBF)

O MTBF (“mean time between failures” ou “tempo médio entre danos”) é um dos principais indicadores da confiabilidade do ativo. Conforme se aproxima do fim da sua vida útil, é normal que os danos se tornem mais frequentes. Isto significa que o ativo se torna menos confiável e que as despesas de manutenção aumentam. Quando a balança tende mais para as despesas do que para os benefícios, é hora de substituir o ativo.

MTBF formula

Tempo Médio de Reparação (MTTR)

O tempo médio de reparação (MTTR, de “mean time to repair”) é o tempo médio necessário para reparar um ativo. O MTTR é um indicador de manutenibilidade, ou seja, da facilidade com que conseguimos reparar o ativo. À medida que o tempo passa, é possível que o MTTR aumente porque os danos são cada vez mais complexos – mais difíceis de diagnosticar, talvez exijam trocar peças, entre outros. Nesse momento, deve comparar os custos de reparação e os custos de substituição.

MTTR formula

⚙️ Quer reduzir a manutenção corretiva e diminuir o MTTR? 

 

Tempo Médio até a Falha (MTTF)

O tempo médio até a falha (conhecido como MTTF, do inglês “mean time to failure”) é uma estimativa de quanto tempo um ativo vai funcionar até estragar completamente. Em outras palavras, é um indicador da vida útil do ativo. Este indicador de desempenho é importante para ativos que não podem ser reparados, como lâmpadas ou correntes. Se o equipamento estraga muito antes do previsto, ele pode estar operando em excesso… ou o fabricante pode não ser o melhor.

 

Eficácia Global do Equipamento (OEE)

A eficácia global do equipamento (conhecida pela sigla OEE, do inglês “overall equipment effectiveness”) é um dos principais indicadores de desempenho de ativos. O OEE deve ser de pelo menos 77% mas, idealmente, se situa por cima dos 85%. Veja o nosso artigo sobre o OEE, o TEEP e o OOE para perceber que variável está falhando e como é possível melhorar a eficácia do seu ativo. 

 

Porcentagem de manutenção não planejada

Quais são as porcentagens de manutenção planejada (ou manutenção preventiva) e de manutenção não planejada (ou manutenção corretiva)? A manutenção não planejada não deve ultrapassar 10-20%. Como consequência, a manutenção planejada deve corresponder a 80-90%. Se a porcentagem de manutenção não planejada é superior, faça uma análise de causa raiz para entender a origem das falhas. Caso sejam previsíveis, invista em monitoramento da condição e manutenção pró-ativa.  

 

Custo da manutenção (orçamentado vs custo real)

Outro indicador de desempenho ao qual você deve ficar atento é o custo da manutenção. Compare o valor que recebeu no orçamento para o ativo (manutenção preventiva) e o dinheiro que gastou na realidade (custos com manutenção preventiva e corretiva). Se há uma diferença muito grande entre os dois, é provável que o ativo esteja em piores condições do que tinha pensado. Vale a pena rever o seu plano de manutenção e avaliação de criticidade. 

 

🧮 Controlar os custos com manutenção: para ter dados corretos sobre os seus custos de manutenção, você precisa registrar todos os chamados no mesmo software. O tempo de cada chamado te dá uma ideia de quanto está gastando em mão de obra. Se além disto você também registrar os materiais utilizados e as despesas com fornecedores, você consegue valores exatos para calcular os gastos.

 

Custo da manutenção preventiva (evolução ao longo do tempo)

Ainda sobre os custos, há outro indicador de desempenho que deve ser considerado: a evolução dos custos com manutenção preventiva ou preditiva ao longo de tempo. Se os custos com manutenção preventiva sobem mas o downtime e os custos com manutenção corretiva não abaixam ou permanecem iguais, então o seu plano não está sendo eficaz. Veja aqui as nossas recomendações para escolher a estratégia de manutenção certa para cada ativo

 

Custo de substituição vs custo de reparação

Por fim, é interessante comparar o custo de substituição com o custo da reparação. Em relação ao custo de substituição, você deve sempre ter um intervalo de valores de referência. O custo de manutenção deve englobar o valor que tem programado para manutenção preventiva e uma previsão – com base no histórico do ativo – para a manutenção corretiva. Quando se aproximam, é hora de ponderar a compra de outro equipamento. 

 

Tempo de resolução do dano

Embora não seja um indicador sobre o ativo, é um indicador de performance da sua equipe ou do seu fornecedor. Meça o tempo que decorreu entre a criação e o fecho do chamado. Se possível, monitore também quanto tempo demora em média para atribuir um técnico, assim como o tempo ou o número de visitas necessárias para chegar a um diagnóstico. Quanto mais rápida for a resolução do dano, mais otimiza a disponibilidade do ativo. 

 

Tem certeza que tem informações reais sobre todos estes indicadores de desempenho dos seus ativos? Se tem dúvidas, mude de software. Uma plataforma de manutenção inteligente é a melhor forma de captar dados valiosos sobre a sua operação e gerar relatórios automáticos.

infraspeak demo