Um dos objetivos (se não o principal) do profissional de Facilities, é fazer mais com menos, mantendo a mesma qualidade e fluidez da operação. Reduzir a conta de energia da empresa é um exemplo prático.

Por isso, reduzir custos empresariais tem sido cada vez mais a exigência das empresas e um ponto positivo na avaliação de desempenho.

Confira abaixo 5 ações de economia de energia, e consequente redução de custo, que implementei ao longo dos meus anos de carreira e que me fizeram ganhar reconhecimento profissional.

Recomendo que antes de seguir com qualquer projeto, verifique se eles se encaixam na realidade da sua empresa. Escolha os aprimoramentos que devem e/ou podem ser aplicados e faça um planejamento estratégico que contenha:

  • Justificativa da ação com fatos e dados (no caso em questão: redução de energia, sustentabilidade empresarial, eficiência energética etc);
  • Pelo menos 3 orçamentos com a descrição da proposta de compra e venda;
  • O valor a ser gasto para sua implantação (impacto no OPEX);
  • O tempo que levará para amortizar o valor pago (tempo que levará para diluir o custo). 

Substitua as lâmpadas comuns pelas LED

Inicialmente, vale te dizer que as lâmpadas LED são mais econômicas, já que são capazes de produzir muito mais luz consumindo menos energia elétrica do que as convencionais (incandescentes ou fluorescentes). E, como nem tudo são flores, em contrapartida, são mais caras.

Você poderá iniciar essa substituição de duas formas: 

  • Trocar as lâmpadas convencionais conforme elas vão queimando pelas LED;
  • Trocar tudo de uma vez só.

Se está no andamento de uma obra, vale a pena já iniciar a operação do prédio com as LED (Phillips, Brilha ou Ourolux); caso contrário, vá trocando aos poucos para não desperdiçar as lâmpadas que estão em uso. 

Dica:

  • Coloque uma etiqueta na lâmpada nova com a data da troca, para que na próxima substituição, tenha ciência de sua vida útil. 

Invista nos sensores de presença

São grande aliados para a redução de energia, uma vez que evitam que as lâmpadas fiquem acessas desnecessariamente no hall dos elevadores, corredores, banheiros, nas salas de reunião etc.

Os sensores detectam a presença das pessoas pelo calor emitido de seus movimentos através do infravermelho. Esses dispositivos conseguem captar a variação térmica e são calibrados de acordo com a temperatura das pessoas (35º a 38º graus Celsius). 

Com isso quando uma pessoa entra em um ambiente que possui sensor de presença, ocorre uma mudança na luz infravermelha que dispara um “alarme” no equipamento e aciona o funcionamento da lâmpada. É possível ajustar o tempo, a sensibilidade e a cobertura de abrangência.

Na minha opinião, a marca pioneira e especialista nesse nicho é a Legrand. Os sensores são caros, mas a probabilidade de queimarem é baixa, a garantia é de longa duração e o atendimento é ágil para fins de visita técnica, manutenção e/ou substituição. É possível também solicitar um treinamento no ato da compra para entender o funcionamento do aparelho.

Existem dois tipos de sensor:

De parede: é aliado à praticidade da utilização da estrutura elétrica já existente. Com modelos de sobrepor ou embutir, elimina a necessidade de grandes intervenções e fica estrategicamente posicionado em áreas de tráfego, agilizando o acendimento das luzes;

De teto: esse tipo de sensor costuma oferecer uma área de cobertura mais abrangente, já que pode ser instalado até quatro metros de altura. 

A própria disposição do aparelho ajuda na segurança, já que o torna inacessível para quaisquer outras pessoas que não sejam os técnicos responsáveis pela manutenção, impedindo que seu funcionamento seja alterado ou comprometido.

Otimize o funcionamento do HVAC (Heating, Ventilating and Air Conditioning)

Antes de mais nada, ter uma empresa especializada em manutenção preventiva e periódica no sistema de Ar Condicionado, além de proporcionar a sua eficiência, evita riscos à saúde (contaminação e transmissão de doenças).

Ao realizar a higienização periódica, a vida útil de seu aparelho também é protegida, fazendo com que ele dure mais e estrague menos. A falta de zelo em manter o aparelho limpo também poderá gerar altos custos com manutenções mais profundas, pois danifica todo o funcionamento.

Confira abaixo algumas boas práticas:

  • Mantenha os filtros limpos, pois estando sujos, forçam o aparelho a trabalhar mais;
  • Escolha modelos que tenham o Selo Procel (Economia de Energia);
  • Compre um aparelho com a potência adequada para o ambiente ao calcular os BTUs necessários para climatizar o espaço;
  • Instale a unidade externa (condensadora) em um local com boa circulação de ar;
  • Evite o frio excessivo regulando o termostato adequadamente: 23 graus costuma ser ideal;
  • Mantenha portas e janelas fechadas para evitar a entrada do ar da rua;
  • Evite o calor do sol no ambiente ao fechar cortinas e persianas;
  • Desligue o aparelho sempre que você se ausentar do ambiente por muito tempo.

Dica: leia as principais regras a respeito do HVAC:

  • Lei 13.589/18‎ (PMOC);
  • NR-17;
  • Norma ISO 9241;
  • Artigos 176, 177 e 178 da Consolidação das Leis do Trabalho. 

Utilize equipamentos que possuem o Selo Procel

O Selo Procel é uma forma de orientar o consumidor na hora da compra, indicando quais produtos apresentam os melhores níveis de eficiência energética dentro de cada categoria, resultando em economia na conta de energia elétrica.

Hoje em dia, empresas modernas oferecem espaços de descompressão e de refeitórios. Neles, há eletrodomésticos e eletroeletrônicos, como por exemplo máquina de lavar louça, microondas, geladeira, cafeteira etc. Se você também tiver, garanta que possuam o Selo Procel, uma vez que o consumo é alto e a energia impactada negativamente. 

Não menos importante, é necessário manter a manutenção e a limpeza periódica dos Appliances também, considerando que se não executadas, a higiene será afetada e o desempenho da máquina também. 

Vale lembrar que os equipamentos antigos, como computadores e periféricos já obsoletos consomem muito mais energia do que os aparelhos mais novos, uma vez que as tecnologias de gestão energética eficiente são aprimoradas a cada ano.

Dica: o consumo de energia de um aparelho de 110V e outro de 220V é a mesma, pois não depende da tensão elétrica e sim, da potência e do tempo de uso do equipamento. 

TI Verde

Puxando o gancho da redução de custos de forma mais generalista, o famoso “TI Verde” traz excelentes resultados e a redução de energia é um deles. TI Verde é o conjunto de práticas empresariais e sustentáveis fornecidas pela área da Tecnologia da Informação. 

Assim como todas atividade humana, o departamento de TI também provoca impactos no meio ambiente, como por exemplo o consumo alto de energia elétrica e a geração de resíduos conhecidos como “lixo eletrônico”.

Dependendo do tamanho e da estrutura da empresa, a área de Facilities tem bastante interação com a área de TI, e mais especificamente com a equipe de Suporte, que atua diretamente com a gestão dos maquinários, de forma que o projeto não precisa ser realizado apenas por empresas especializadas. Todos podem adotar medidas que auxiliam na busca por um mundo mais sustentável. Confira:

  • No término do expediente e se for o último a sair, desligue as TVs ao redor do escritório;
  • Retire da tomada os equipamentos (monitor, telefone e notebook);
  • Utilize equipamentos que possuem o Selo Procel;
  • Inclua um recipiente específico e com identificação para coleta de pilhas e baterias;
  • Pense duas vezes antes de imprimir (se possível salve o arquivo em PDF) para evitar o desperdício de energia e papel; 
  • Defina regras de impressão (impressão frente-verso, fonte padrão, menor uso de tinta etc);
  • Use papel reciclável ou rascunhos se não for um documento formal.

Para doação de lixo eletrônico (pilhas, teclados, mouses, carregadores, celulares etc), sugiro o Museu do Computador. São confiáveis, além de pioneiros na área. 

É importante começar pelo gerenciamento da conscientização, bem como entender como influenciar as pessoas para comprarem a ideia da Sustentabilidade Empresarial.

Por fim, uma dica extra 

Se você tiver neon na sua empresa, proponha uma readequação elétrica para instalar um timer e poder programar seu funcionamento apenas durante o horário comercial. É possível, também, desligar manualmente, mas o risco de esquecer é grande. A vida útil dele é relativamente pequena e a manutenção cara para ficar ligado 24/7. 

E aí, gostou? Não se esqueça: aprendeu, aplicou! 

Um abraço,