A manutibilidade (ou manutenibilidade) é a facilidade, precisão e segurança com que as tarefas de manutenção são executadas após detetar uma avaria num ativo ou equipamento. Portanto, calcular a manutibilidade é estimar a probabilidade de um equipamento regressar ao seu funcionamento normal depois da manutenção

 

É um conceito especialmente importante na manutenção industrial, mas também podemos falar na manutibilidade de um software, por exemplo. Nesse caso, estaríamos a referir-nos à facilidade com que um software é corrigido depois de se detetar um bug ou a velocidade com que é alterado para responder a novos requisitos e realidades (e gostamos, claro, de pensar que a Infraspeak tem um boa manutenibilidade).

 

Manutibilidade vs. Fiabilidade 

Há três conceitos que é importante distinguir em manutenção industrial: manutibilidade, fiabilidade e disponibilidade. A manutibilidade, como já dissemos acima, é a facilidade de reparação dos ativos. Ou seja, uma boa manutibilidade implica reparar uma avaria tão depressa quanto possível

 

A fiabilidade é fazer com que os ativos “durem” e funcionem o máximo de tempo possível. Combinar uma alta manutibilidade com uma alta fiabilidade é o que assegura a uma alta disponibilidade dos ativos – isto é, uma boa percentagem de uptime. É por isso que a manutenção centrada na fiabilidade, de que também já falámos aqui, tem como objetivo manter os ativos funcionais e disponíveis o máximo de tempo possível. 

 

Como calcular a manutibilidade 

Calcular a manutibilidade é toda uma disciplina em si mesma. Não há uma fórmula simples para calcular a manutibilidade. Como se trata de uma probabilidade, é uma estimativa com base em outros indicadores de manutenção

1. Tempo Médio de Reparação (MTTR).

O tempo médio de reparação é uma das principais métricas de manutenção industrial. A fórmula é simples e já a deve conhecer:

 

 

Em que o tempo de manutenção corretiva inclui todas as horas que passam desde que a avaria é detetada até restabelecer o funcionamento normal do equipamento. O número de reparações é autoexplicativo e deve conseguir recolher estes dados através dos seus registos ou no histórico do seu CMMS

 

O MTTR é um bom indicador da manutibilidade por si só. Isto é, quanto mais baixo for o tempo médio de reparação, maior será a probabilidade de corrigir uma avaria. Ou, se preferir, o downtime é mais baixo nos ativos com maior manutibilidade. Se está a guiar-se por esta métrica, um bom standard seria um MTTR de 5 horas. Um downtime de 50H ao longo do ano deveria corresponder pelo menos a 10 avarias. 

 

Existe ainda uma função da manutibilidade, M(t), que corresponde à estimativa da probabilidade de concluir uma ação de reparação num determinado período de tempo. A forma mais comum de fazer o cálculo é através da distribuição log-normal que resulta dos valores associados ao MTTR e a outros dois indicadores: 

manutibilidade de equipamentos

 

2. Mediana do Tempo Médio de Reparação

O tempo necessário para executar metade das ações de reparação (representada pelo ponto 2 no gráfico);

 

3. Tempo Máximo de Reparação

Mmax, que é o tempo máximo estabelecido para completar uma determinada percentagem de todas as ações de reparação (por exemplo, 90% das ações de reparação devem ser executadas dentro de uma hora). Deve usar dados reais do seu software de gestão de manutenção para estimar tempos máximos de reparação realistas. 

 

Como Melhorar a Manutibilidade 

A única forma de melhorar a manutibilidade dos seus ativos é começar a ser mais rápido nas reparações de avarias. Para isso, deixamos aqui 4 ideias para melhorar a manutibilidade: 

 

1. Treinar melhor a sua equipa. 

Quanto mais formação oferecer aos seus técnicos – especialmente às novas contratações, se a sua equipa tiver uma rotatividade alta  – mais rápido vão agir. Fomente o trabalho de equipa e reúna todos os seus técnicos à volta de um objetivo comum, em vez de se focar apenas no desempenho individual. 

 

2. Concentrar mais informação sobre cada ativo. 

Tente concentrar toda a informação sobre o ativo e as tarefas de reparação. Isso faz com que os técnicos de manutenção demorem menos tempo a perceber o que têm de fazer e as peças de que podem precisar. De preferência, faça-o usando um software ou uma app com versão mobile para que possam aceder a essa informação em qualquer lugar.

 

3. Adquirir equipamentos semelhantes. 

Outra forma de poupar tempo nas reparações é adquirir equipamentos semelhantes, tal como fazem as companhias aéreas. Por um lado, os técnicos vão-se familiarizar com mais facilidade com todos os equipamentos; por outro, é provável que as peças sejam compatíveis com vários equipamentos, o que facilita a gestão de stock. 

 

4. Aumente a manutenção planeada.

Quando falamos de manutenção industrial, a manutenção corretiva quase, quase sempre implica longos períodos de downtime. Assim sendo, uma das melhores estratégias que pode adotar para aumentar a manutibilidade é aumentar a percentagem de manutenção planeada (para sermos mais concretos, deve corresponder a 90% ou mais do total).

 

Nem o melhor gestor de manutenção consegue prevenir todas as avarias. Mas, quando acontecem, garantir uma boa manutibilidade dos equipamentos é a única forma de evitar mais perdas e downtime desnecessário. De resto, já sabe: se está a ter dificuldade em recolher os dados que lhe permitiriam otimizar o seu plano de manutenção, fale com os nossos especialistas para saber como a plataforma da Infraspeak o pode ajudar.

infraspeak demo