A sigla MRO vem de “Maintenance, Repair, and Operations” ou Manutenção, Reparação e Operações em Português. Portanto, o inventário MRO inclui todas as peças, ferramentas e equipamentos necessários no dia-a-dia, desde as luvas de proteção até às empilhadeiras. 

 

Todo o inventário de MRO é essencial para fazer reparações, fazer as tarefas de manutenção agendadas e assegurar o funcionamento normal das instalações. No entanto, a gestão de inventário nem sempre é vista como um ponto estratégico para controlar os custos totais com manutenção. 

 

Apesar disso, otimizar o inventário MRO permite-lhe aumentar a produtividade, diminuir o downtime e agilizar as operações no dia-a-dia. Todos estes benefícios contribuem para reduzir os custos de manutenção sem ter de cortar tarefas essenciais ou despedir pessoal. Segundo alguns estudos, até pode reduzir os seus gastos entre 5 a 30%. 

 

Conheça todas as vantagens de otimizar o inventário MRO e como isso se reflecte nos custos totais de manutenção:

 

Elimina downtime desnecessário

As avarias acarretam sempre gastos. Por isso, uma forma de reduzir os custos de manutenção é reduzir o downtime ao mínimo. Se tiver um inventário organizado, não precisa de deixar uma tarefa pendente, à espera que cheguem as peças certas. Isso não só diminui o downtime, como evita uma nova deslocação ao local da avaria (outro desperdício) ou mesmo ter de passar a informação a um técnico quando as peças chegarem. 

 

Evita o desperdício de peças

Sabia que as luvas de látex têm uma validade de três anos? E que as de nitrilo duram cinco? Se deixar alguns materiais arrumados durante muito tempo, vão perder as suas qualidades. Por outro lado, por vezes há peças que se podem deteriorar por não estarem armazenadas nas condições adequadas. Assim, gerir melhor o inventário MRO  ajuda-o a controlar as datas de validade e a evitar o desperdício das peças que tem em stock. 

 

Melhora a previsão das compras 

Saber exatamente o que tem disponível no armazém elimina o overstocking (peças em excesso). Mas outro enorme benefício de organizar o inventário MRO é prevenir o understocking (stock em falta). Ao longo do tempo, os dados permitem-lhe prever tendências (há alguma época do ano em que as avarias sejam mais frequentes, por exemplo? Que peças precisa de encomendar com base no MTBF?). Deste modo, planifica melhor as compras.

 

Otimiza a logística

Outra vantagem de monitorizar o inventário é conseguir associar um custo à peça, perceber onde estão as peças necessárias para cada ordem de trabalho, analisar a distância que os técnicos têm de percorrer para ir buscar peças ou ferramentas, e se as bills of materials estão ajustadas à realidade. Depois, pode usar esses dados para otimizar a logística e aumentar a produtividade. Além disso, com um registo centralizado, consegue confirmar logo o stock e a sua localização.

 

Permite analisar os custos com inventário

À  medida que começa a ter controlo sobre o inventário, consegue avaliar o desempenho dos fornecedores, estimar o tempo médio das entregas, ganha mais tempo para comparar preços, e pode enfrentar melhor as disrupções na cadeia de fornecimento. Possivelmente, até vai perceber que pode diminuir o número de fornecedores. Tudo isto permite gerir melhor as suas despesas com MRO e, por extensão, reduzir custos com a manutenção. 

 

Mas como otimizar o inventário MRO?

 

Os benefícios são indiscutíveis. Agora, só falta perceber como é que pode otimizar o inventário MRO. Aqui, só lhe resta uma solução: utilizar a tecnologia a seu favor. Primeiro, precisa de centralizar o inventário para saber exactamente o que cada departamento está a utilizar. A seguir, tem de manter a base de dados atualizada.

 

Passo 1: centralizar o inventário MRO

 

Crie uma base de dados com todos os materiais que utiliza para a manutenção, reparação de equipamentos e operações diárias. É importante que o inventário englobe todos os departamentos e inclui até as “pequenas coisas” que vai consumindo sem dar conta. Desta forma vai:

 

  • evitar comprar materiais de forma duplicada (por exemplo, materiais de limpeza ou materiais de proteção individual);
  • perceber que peças são semelhantes ou compatíveis (de modo a reduzir o número de coisas que precisa de encomendar); 
  • identificar materiais que já não são necessários (porque são equipamentos que já são pouco utilizados ou que vão ser substituídos);
  • poupar tempo em mensagens e telefonemas para perceber se tem uma determinada peça em stock ou não;
  • controlar mesmo as compras mais pequenas que nem sempre são incluídas no MRO (por exemplo, detergentes, tinteiros, resmas de papel);
  • decidir se pode concentrar mais compras num só fornecedor, de modo a conseguir preços de quantidade. 

 

Passo 2: manter o inventário MRO atualizado

Por último, manter o inventário atualizado é a melhor forma de organizar o MRO e conseguir reduzir os custos operacionais de maneira substancial. Se associar materiais a cada ordem de trabalho, vai deduzir inventário automaticamente e consegue ter uma contagem atualizada de tudo o que precisa. Outra forma de manter o inventário atualizado é scanear cada uma das peças antes de as retirar do armazém. De ambas as formas:

 

  • sabe sempre que peças estão disponíveis e onde estão armazenadas;
  • consegue perceber a vida útil de cada peça ou equipamento;
  • prevê tendências com base nos gastos diários e nos trabalhos agendados;
  • faz encomendas de stock antes de atingir níveis críticos;
  • evita encomendar peças que, afinal, ainda tem em stock;
  • gere melhor todos os custos associados ao inventário. 

 

Gerir melhor o inventário para manutenção, reparações e operação (MRO) traz imensas vantagens. Não só consegue poupanças imediatas, ao prever melhor as compras e evitar gastos desnecessários, como também ganha em produtividade. Assim sendo, há poupanças diretas e indiretas na otimização do inventário. 

 

Se precisa de um software de gestão de manutenção que lhe permita gerir melhor o seu inventário, agende uma demonstração com um dos nossos especialistas.