É inegável que a indústria hoteleira foi uma das mais afetadas pela pandemia de COVID-19. Em muitos meses do ano, os hotéis fecharam e os restaurantes trabalharam como cozinhas fantasma sobreviver graças ao delivery. Quando as coisas começavam a retomar, os números voltaram a disparar e novos decretos e restrições são estabelecidas em algumas cidades e Estados do Brasil.

 

A dura realidade é que o COVID-19 vai continuar a afetar o funcionamento da indústria hoteleira no próximo ano. Mas, quais vão ser as principais tendências e desafios da hotelaria em 2021, ainda sob a nuvem escura da pandemia?

 

Um caminho longo até a recuperação plena 

Porque a gente mentiria? Vai demorar muito tempo até voltarmos a ter as taxas de ocupação e os lucros da era pré-COVID. Como subestimamos o tempo necessário para desenvolver uma vacina ou um tratamento, o setor vai enfrentar os piores cenários que previmos em março. Além do receio em relação às viagens, a crise econômica também vai ter um grande impacto. É possível que só superemos os níveis de 2019 em 2024.

 

A Deloitte Canada fez um estudo com conclusões que podem ser aplicadas em todos os mercados. Diante dessa crise, a maioria dos consumidores planeja reduzir os gastos com hotelaria e restaurantes, em troca de aumentar as despesas de supermercado e em serviços digitais. Mas, para termos uma ideia de como o futuro poderá ser, devemos olhar para o passado. Depois dos ataques do 11 de setembro, do surto de SARS em 2003 e do tsunami no Oceano Índico em 2004, a percepção de insegurança também se misturou com a queda dos mercados.

 

Em todos esses casos, a hotelaria se viu forçada a procurar novos segmentos e a explorar o mercado doméstico, a oferecer pacotes promocionais, e a virar o marketing para uma mensagem focada na segurança até restabelecer a confiança dos hóspedes. Ainda assim, é preciso ter em consideração que o COVID-19 tem uma distribuição geográfica muito superior, e é uma crise que só a ciência pode resolver.

 

Os hotéis mais econômicos devem se recuperar mais depressa

O setor não vai se recuperar completamente no mesmo ritmo. É provável que os hotéis mais econômicos se recuperem mais depressa, já que há mais procura, menos necessidade de manutenção, e menos gastos com mão de obra. Mesmo com uma taxa de ocupação mais baixa – seja para descontaminar quartos ou por falta de hóspedes – muitos destes hotéis se mantêm rentáveis. Os hotéis de luxo e os resorts precisam ter uma taxa de ocupação 1.5 vezes mais alta para se manterem à tona.

 

Para estes hotéis, a equação considera três fatores: rendimentos variáveis (dependem da ocupação do hotel), despesas semifixas (serviços que podem ser suspensos, como o bar da piscina ou o spa) e despesas fixas (estes serviços não podem ser suspensos, como a segurança ou AVAC). A única forma de reduzir os custos é jogar com as despesas semifixas, mas o outro lado da moeda é comprometer a experiência do cliente. Nos arriscamos a dizer que encontrar um equilíbrio é o maior desafio para os hotéis que se encaixam nesta categoria.

 

  • Está pensando cortar despensas com a manutenção do seu hotel? No início da pandemia preparamos um checklist com tarefas de manutenção essenciais para hotéis encerrados. Essas são as suas despesas fixas de manutenção, que deve manter mesmo que não tenha todo o hotel em funcionamento.

 

Os consumidores vão preferir destinos mais próximos

Esta é uma tendência que já vimos em 2020, e deverá continuar devido ao medo coletivo de novas restrições e confinamentos. Enquanto, por exemplo, a Europa ainda estava lidando com a primeira onda, a China estava reabrindo as suas cidades. As províncias perto do mar, que costumavam ser as mais populares, mas que dependem de voos de longa duração, demoraram mais a se recuperar. Por outro lado, nas províncias mais próximas, acessíveis por estrada ou trem de alta velocidade, o número de viajantes aumentou muito em relação com anos anteriores.

 

Por aqui, a tendência tem sido semelhante. Mesmo com a promessa de segurança sanitária por parte das empresas de aviação, a preferência é para viagens de carro, para distâncias mais curtas. Outro ponto de atenção está relacionada como aumento da adoção de cachorros e gatos durante a quarentena, aumentando a procura por espaços que aceitem bichinhos. Uma pesquisa do Booking realizada com 20 mil viajantes de 20 países, mostrou que 55% dos brasileiros entrevistados pretende conhecer um lugar na região onde mora e 59% busca um destino de natureza que seja próximo. Além disso, a pesquisa indica que 63% dos respondentes pretendem ignorar a distância para retomar a lugares que já conhecem.

 

Recuperar o voto de confiança dos hóspedes

Um estudo feito na Espanha explica que há dois grandes fatores que influenciam a decisão dos hóspedes. Um é a confiança no país ou região de destino – o que explica a tendência das staycation – e o outro é a confiança no hotel em si. Portanto, recuperar a confiança dos hóspedes é definitivamente um desafio para 2021. Muitos hotéis, nomeadamente algumas cadeias bem conhecidas, têm recorrido a programas “stay safe” que incluem cuidados médicos, medições de temperatura, desinfetante de mãos gratuito e produtos de higiene.

 

O mesmo estudo da McKinsey mostrou que os hóspedes valorizam cuidados redobrados com a limpeza, incluindo a esterilização com raios UV, tempos de intervalo entre estadias, e talvez até testes rápidos durante o check-in, em conjunto com todas as medidas dos programas “stay safe”. Em outras palavras: os consumidores querem que os hotéis não poupem esforços para mitigar o contágio de COVID-19, e esperam que o demonstrem. A solução pode passar por certificados de segurança ou apps como a Clean & Safe, que a Infraspeak desenvolveu em conjunto com o governo de Portugal.

 

 

Os viajantes mais tecnológicos da era pós-COVID

Segundo a Deloitte, este também é um fenômeno que vamos ver no futuro. Durante o confinamento, a maioria das pessoas recorreu à tecnologia para se comunicar com a família e amigos, entretenimento ou até para encomendar produtos essenciais. Quando voltarmos a viajar, é natural que muitos consumidores se mostrem mais receptivos às novas tecnologias e estejam mais confortáveis a usá-las. 

 

Isto significa, por exemplo, que os check-ins e check-outs autônomos podem se tornar a norma em um futuro próximo. Existe, porém, uma série de opções para explorar, como apps para serviço de quartos, controle remoto do ar-condicionado ou pedir a limpeza do quarto, seguindo a onda do que os smart hotels têm feito. Por um lado, é um desafio oferecer uma experiência ao cliente que combine o contato humano com estas interações. Por outro, é uma oportunidade de melhorar as operações e minimizar contatos pessoalmente até que a pandemia esteja controlada.

 

Por último, há algo que não podemos esquecer: os seus clientes procuram uma experiência única. Mesmo que estejam com máscara, ou separados por um vidro, a indústria hoteleira deve proporcionar experiências memoráveis – apenas com cuidados extras de segurança.