Estamos acostumados a definir a manutenção em três tipos principais de categorias — preventiva, corretiva e preditiva. A experiência, porém, nos mostra que existem diversas tarefas que não se encaixam perfeitamente em nenhuma dessas classificações.

As tarefas de failure finding, ou pesquisa de danos, são um bom exemplo. Mas, afinal, o que é a manutenção failure finding? Deve fazer parte do seu plano de manutenção? Se sim, quando deve ser aplicada? O Universo é infinito? É o que vamos ver a seguir.

 

Manutenção centrada na confiabilidade e failure finding

 

Muitas vezes, a pesquisa de danos faz parte de uma estratégia de manutenção centrada na confiabilidade. O objetivo deste tipo de manutenção é assegurar que um equipamento está disponível o máximo de tempo possível.

 

Mas o que acontece quando não podemos assegurar que um equipamento é confiável apenas através de inspeções de rotina? A resposta é pesquisar ativamente pelo dano, isto é, failure finding.

 

O que são tarefas failure finding?

As tarefas de failure finding são inspeções que fazemos num determinado equipamento para descobrir defeitos ou falhas escondidos. Por isso, não se encaixam dentro de um tipo específico de manutenção. Nestes casos, o objetivo não é manter um determinado ativo, mas sim testar se ainda funciona. Assim sendo, também podemos chamar de “verificações funcionais” (em inglês, functional checks).  

 

É importante destacar este ponto, porque é isto que diferencia o failure finding da manutenção preventiva e da manutenção preditiva. Não estamos tentando prevenir nem prever um dano, estamos procurando por ele.

 

Por exemplo, um dano num gerador elétrico que é usado como backup num hospital ou num hotel nunca será detectado durante o funcionamento normal do edifício. Se por acaso o gerador estiver estragado, e sem failure finding, só vamos descobrir quando a luz falhar… E aí será tarde demais! O mesmo acontece com os alarmes de incêndio ou os detectores de fumaça, que são ativados apenas em circunstâncias específicas.

 

 

Em resumo, as tarefas de failure finding – ou pesquisas de danos – são necessárias para ter a máxima confiabilidade em mecanismos de segurança e de backup. Estes são alguns dos sistemas que precisam deste tipo de testes com regularidade:

 

  • sistemas de alarme, como alarmes de incêndio, detectores de fumaça, detectores de presença ou alarmes e detectores de intrusão. 
  • sistemas e circuitos elétricos, para testar a carga e a capacidade da corrente.
  • sistemas de alívio, como válvulas de descompressão ou válvulas de controle.
  • sistemas de mitigação para minimizar o efeito de eventuais falhas, como os extintores.
  • sistemas de backup, como os geradores elétricos ou sistemas de aquecimento de água secundários.
  • sistemas de shutdown, componentes que disparam automaticamente e desligam um equipamento (por exemplo, quando fica superaquecido) antes de danificar peças mais caras, como o motor.
  • istemas de proteção, como sistemas de proteção elétrica, incluindo contra descargas atmosféricas (para-raios), sistemas terra ou sistemas antissísmicos.   

 

Em que situações é indicada a pesquisa de danos ou manutenção failure finding?

Este tipo de manutenção é indicado sempre que um dano não seja evidente em circunstâncias normais ou não possa ser detectado através de tarefas rotineiras de manutenção preventiva. Além disso, as verificações funcionais se justificam quando: 

 

  • não há maneira de prevenir o dano (e, portanto, fica excluída qualquer hipótese de manutenção preventiva);
  • podem ser feitos testes e despistagens sem que isto implique alterações ao funcionamento normal do edifício;
  • o risco de existir um dano “escondido” num determinado sistema é elevado;
  • a probabilidade dos testes causarem um dano grave é muito baixa; 
  • o custo das tarefas de failure finding são inferiores ao custo da manutenção corretiva.