Entenda as diferenças entre: Manutenção Preventiva e Manutenção Preditiva

A tecnologia para manutenção preditiva ainda é cara e necessita de equipamentos especiais para tal.

Entender os diferentes tipos de manutenção existentes é o principal ponto de partida para quem pretende dar início a uma estratégia para ter mais controle e gestão em uma facility e/ou ativos. É essa estratégia o fator determinante para manter uma equipe altamente produtiva, assim como os ativos e locais em que elas atuam e operam. 

É a questão chave que pode fazer com que ativos se mantenham disponíveis e confiáveis, porém, a um custo elevado ou ter um custo baixo, mas com ativos com baixa confiabilidade e disponibilidade.

Manutenção Preventiva

A manutenção preventiva é intervalada e feita periodicamente dentro de critérios também preestabelecidos. O foco principal é na redução das possibilidades de falha e/ou funcionamento de ativos e equipamentos.

Como o próprio nome indica, têm caráter preventivo com o objetivo de evitar falhas em processos produtivos ou ofertas de serviços e produtos em um determinado negócio. As ações preventivas mais conhecidas são:

  • Inspeções;
  • Limpeza;
  • Lubrificação.

Existem outras técnicas e processos preventivos, mas que exigem mais tecnologia e equipamentos, como a termografia, por exemplo.

Uma rotina de manutenção preventiva deve ser determinada por um plano de manutenção preventiva. Como exemplo, pode se citar uma cadeira de laminação que é lubrificada de 5 em 5 horas de acordo com padrões já estabelecidos pela equipe de manutenção e necessidade do negócio.

O objetivo dessa atividade é garantir mais disponibilidade e confiabilidade do equipamento.

Manutenção Preditiva

A manutenção preditiva é aplicada com o objetivo de reduzir as atividades de manutenção preventiva e diminuir as operações de corretiva. Geralmente, são feitos processos de supervisão e amostragem de um equipamento ou ativo para tomar decisões.

Trata-se de um modo de manutenção em que é possível prever as condições de um ativo a partir do momento em que falhas são identificadas em um estágio primário. A boroscopia em redutores de engrenagens pode ser usada como exemplo.

Com tal equipamento, é possível identificar o nível do desgaste e falhas em potencial nas engrenagens e rolamentos de todo o conjunto. Logo, com o problema identificado, a tomada de decisões é mais simplificada.

O estudo de vibrações é outro exemplo. Máquinas em funcionamento produzem vibrações que as levam a um processo natural de deterioração.

O que acontece é a distribuição da energia gerada pelas vibrações de todo o conjunto da máquina. Ao observar o nível dessas vibrações, pode-se chegar a conclusões sobre o estado em que uma determinada máquina se encontra.

A análise de vibrações é baseada pelo princípio de que a estrutura das máquinas são modificadas pela ação de forças ou esforços dinâmicos. Por isso, ao posicionar captadores de vibração em pontos estratégicos de uma máquina, é possível captar e identificar as vibrações ocorridas em toda a estrutura. 

A análise e registro das vibrações facilitam a localização de pontos em que há mais esforço em uma máquina. Essa medição facilita a identificação ou a presença de falhas que podem ser prontamente corrigidas como:

  • rolamentos em deterioração;
  • engrenagens com defeito;
  • acoplamentos desalinhados; 
  • rotores desbalanceados;
  • vínculos sem ajustes; 
  • eixos em deformação;
  • lubrificação deficiente;
  • folgas;
  • entre outros.

Uma das principais vantagens da manutenção preditiva é o tempo. Geralmente, as operações são mais rápidas do que qualquer outro tipo de manutenção. Mas como dizem que “tempo é dinheiro”, a realização da manutenção preditiva demanda custos mais altos.

Equipamentos de leitura e análise e capacitação de equipes exigem investimentos mais altos para quem considera adotar esse tipo de manutenção.

Manutenção Preventiva x Manutenção Preditiva

Antecipação pode ser a palavra que determina a realização desses dois tipos de manutenção. Tanto a preventiva quanto a preditiva são utilizadas para evitar que problemas ou falhas maiores aconteçam e as consequências em uma linha de produção sejam graves.

A diferença entre ambas está nos processos realizados, nos equipamentos utilizados e, principalmente nos custos envolvidos. Uma gestão de manutenção inteligente é capaz de determinar melhor qual tipo é mais benéfico para sua equipe e para os negócios.

Gerenciar equipes e tipos de manutenção é uma missão complexa. Para isso, para que as melhores decisões sejam tomadas, soluções e softwares como um CMMS são utilizados. Saiba mais aqui como esse tipo de software pode ajudar suas operações de manutenção.