Uma manutenção bem feita é aquela que garante mais produtividade de uma equipe e de um negócio. O objetivo é garantir que ativos e equipamentos tenham máxima longevidade e performance e o mínimo de paradas. 

A manutenção preditiva e a manutenção baseada em condições são semelhantes e têm foco em análises e medições prévias para tomar uma decisão antecipada. Entenda mais no texto abaixo e saiba diferenciá-las.

Manutenção Preditiva

É uma atividade feita a partir do uso de ferramentas, soluções e dispositivos que permitem supervisionar, tirar amostras e chegar a conclusões que possam resultar na redução de operações de manutenção preventiva e diminuição das corretivas. Já é algo bem inserido nas questões de transformação digital e da indústria 4.0.

Como o próprio nome já diz, o objetivo é predizer condições dos equipamentos quando, em estágio inicial, são encontradas falhas. A boroscopia em um redutor de engrenagens é um exemplo que pode ilustrar o conceito. O equipamento faz com que a visualização de desgaste e falhas em estágio inicial dos rolamentos seja mais fácil. 

Com um problema identificado, é possível tomar decisões melhores e as medidas necessárias.

A análise de óleos também pode ilustrar isso. São basicamente dois objetivos: reparar defeitos e economizar em lubrificantes. Existem equipamentos capazes de fazer análises precisas e em alta velocidade dos tipos de óleos usados nas máquinas atualmente. 

É por meio dessas análises em que se determina o momento mais adequado para efetuar uma troca ou renovação, seja dos componentes mecânicos ou dos hidráulicos.

Ao determinar e regular o grau de degradação ou de contaminação de óleos, é possível encontrar medidas focadas em economia. Tal regulagem assegura mais otimização nos intervalos de troca de óleo e, pelas análises, é possível identificar os primeiros sintomas e indicativos de desgaste de componentes. Isso é possível a partir do estudo das partículas sólidas que se misturam aos óleos.

Essas partículas surgem com o contato entre peças, ou seja, são geradas pelo atrito dinâmico. Toda análise é feita com o apoio de técnicas laboratoriais que utilizam vidrarias, reagentes, instrumentos e equipamentos específicos para se chegar em determinadas conclusões. Entre os mais utilizados, destacam-se:

  • viscosímetros;
  • centrífugas;
  • fotômetros de chama;
  • peagômetros;
  • espectrômetros;
  • microscópios;
  • entre outros.

Diante das análises feitas e técnicas aplicadas, determina-se as propriedades dos óleos e o nível de seus contaminantes. Entre todas as propriedades, geralmente as que mais interessam são:

  • índice de viscosidade;
  • índice de acidez; 
  • índice de alcalinidade;
  • ponto de fulgor;
  • ponto de congelamento. 

Para os critérios de contaminação, é importante compreender o quanto existe de:

  • resíduos de carbono;
  • partículas metálicas;
  • água.

A análise de óleos é tão importante quanto o estudo de vibrações para a manutenção preditiva. Trata-se de uma questão focada em identificar o momento em que o próprio óleo ou um equipamento tem ou não a necessidade de ser trocado e em que momento deverá ser realizado.

Vantagens da manutenção preditiva

A principal vantagem da manutenção preditiva, em comparação a outros tipos de manutenção, é o tempo necessário para a realização de suas operações. É uma rotina bem mais rápida e ágil. Por outro lado, ainda é um processo caro, que envolve alto investimento em tecnologia, equipamentos e capacitação de pessoas para operarem tudo corretamente. 

Manutenção Baseada em Condições

Embora tenha as suas semelhanças com a preditiva, a manutenção baseada em condições apresenta um aspecto diferenciador. Após uma medição ou análise, quando parâmetros irregulares ou em níveis inaceitáveis são encontrados, imediatamente é feita uma intervenção no equipamento.

Como exemplo, citamos os eixos cardans para acionamento de máquinas. O batimento nesse ativo é importante para diagnosticar o funcionamento de tudo o que é acionado. Se esses batimentos estiverem elevados, o eixo precisa ser prontamente reparado ou substituído.

O melhor tipo de manutenção é sempre aquele que se encaixa melhor no perfil da sua equipe e negócio e favorece uma maior produtividade e disponibilidade dos ativos. 

Manutenção Preditiva x Manutenção Baseada em Condições

As principais diferenças entre ambas se caracterizam pelos tipos de análises feitas em cada caso. A manutenção baseada em condições estabelece intervenções imediatas diante de um padrão que causa estranhamento. Já a preditiva, faz jus ao nome e as ações já são feitas para que eventuais paradas e perdas de produtividade não ocorram.

Veja como a manutenção preditiva se diferencia de outros tipos de manutenção, como a preventiva, aqui. Clique e saiba mais.